Publicidade

Por ocasião da época natalícia, bem como da passagem para o Novo Ano que se avizinha, a Polícia de Segurança Pública (PSP) leva a cabo a operação “Polícia Sempre Presente: Festas em Segurança 2021-2022”, sob o lema “Celebre connosco em segurança”.

Assim, até 3 de Janeiro de 2022, na sua área de responsabilidade em Portugal Continental e na totalidade das Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores, a PSP aumentará a sua presença na via pública, reforçando a visibilidade e capacidade de prevenção da ocorrência de ilícitos criminais, contribuindo para o aumento do sentimento de segurança dos cidadãos.

Face ao previsível aumento do número de passageiros nos aeroportos, a PSP continuará a desempenhar a sua competência de controlo destes passageiros relembrando que a entrada em Portugal depende da apresentação de teste com resultado negativo e, para embarque, é obrigatória a apresentação de teste PCR negativo à COVID-19, à excepção dos viajantes que apresentarem certificado de recuperação.

Desde dia 1 de Dezembro e até à presente data, a PSP já fiscalizou cerca de 3 500 voos, tendo sido controlados mais de 341 500 passageiros e levantados 720 autos de contra-ordenação às pessoas que sem teste e às companhias aéreas que as transportaram.

 Já no que concerne às compras de Natal, «o crescente recurso a métodos de compras alternativos, nomeadamente através da internet e aplicações, e o consequente pagamento através de plataformas informáticas, contribuiu para o aumento das denúncias de burlas nas comunicações».

Assim segundo a PSP, «os pagamentos com recursos a métodos informáticos devem ser acompanhados de cuidados simples para evitar que os compradores sejam alvos de burlas», nomeadamente a necessidade de os cidadãos compreenderem bem o funcionamento do método de pagamento antes de concretizarem qualquer compra; não aceitar auxílio na concretização do pagamento por parte de desconhecidos ou pessoas que não sejam da sua inteira confiança, suspeitando de abordagens/vendas não solicitadas; e seguir as instruções de utilização das próprias plataformas e, em caso de dúvida na utilização da aplicação, recorrerem aos serviços técnicos do prestador do serviço (número de apoio) ou à PSP.

No que diz respeito à vertente da segurança rodoviária, a PSP está a intensificar a realização de operações de fiscalização no período das épocas festivas, com especial incidência nas principais causas da sinistralidade, desta feita velocidade excessiva, uso do telemóvel durante a condução, não uso de cinto de segurança e sistemas de retenção e condução sob o efeito ao álcool e substâncias psicotrópicas.

Na semana que antecede o Natal este aumento da fiscalização verificar-se-á, não só nos grandes centros urbanos – associado ao grande afluxo de pessoas e viaturas nas imediações das áreas comerciais – mas também nos acessos aos principais eixos rodoviários interurbanos, relacionados com as tradicionais deslocações para reunião familiar.

A PSP relembra que, durante os períodos de ausência da residência (mesmo que por curtos períodos de tempo), as famílias devem garantir que portas e janelas ficam bem trancadas, devendo evitar publicitar as ausências mais prolongadas, nomeadamente através das redes sociais. Nesta vertente, a PSP vai aumentar a vigilância com maior incidência nas zonas residenciais, activando, durante o decorrer desta operação, a vigilância a residências particulares após os interessados apresentarem esse pedido na esquadra da área de residência.

«Reforçamos ainda o apelo para que os cidadãos nos denunciem quaisquer crimes, ainda que não concretizados, de que sejam vítimas ou que testemunhem, possibilitando a imediata resposta e investigação policial», refere a PSP em comunicado, acrescentando ainda que, devido ao Estado de Calamidade em que o país se encontra, e à semelhança do que aconteceu no ano transacto, «devem ser evitadas aglomerações, especialmente em espaços fechados».

«Apelamos a todos os cidadãos que respeitem as normas das autoridades de saúde e das forças de segurança e que, mesmo em família, não descurem as medidas de higiene e segurança sanitária. Devemos proteger os outros, protegendo-nos», refere a força de segurança.