Os Sapadores Florestais estão a cumprir um dia de greve em reivindicação de uma carreira que não têm, de aumentos salariais, da atribuição de um subsídio de penosidade e de salubridade, de entre outras reclamações.

Em Portalegre estão a cumprir esta jornada de luta sapadores frente às Oficinas Municipais, na Zona Industrial.

Há Sapadores integrados em diversas estruturas, desde os municípios, à CIMAA ou organizações de produtores e outras.

De acordo com declarações de profissionais no local, o nível remuneratório é o ordenado mínimo e não podem progredir por inexistência de regulamentação de carreira para além de que consideram que também combatem incêndios quando necessário e que por tal deveria beneficiar de subsídio de risco como alegam que recebem os bombeiros profissionais, e por outro lado também deveriam receber subsídio de penosidade pelo trabalho que desenvolvem, à semelhança de outros trabalhadores.

Pub