O portalegrense Miguel Arriaga, chefe da Divisão de Literacia, Saúde e Bem-Estar da Direcção-Geral da Saúde, foi escolhido para integrar a task force criada pelo Ministério da Saúde com vários especialistas em ciências comportamentais, para o apoio na tomada de decisão no contexto da pandemia da COVID-19.

De acordo com o despacho publicado, «o comportamento humano tem um impacto decisivo no controlo da pandemia de COVID -19», pelo que «os comportamentos devem estar no centro das estratégias de combate à situação pandémica, assim como na preparação das respostas a futuras crises de saúde pública». Com esta participação, a DGS reforça a importância e o trabalho na área das ciências comportamentais.

O diploma refere que existe a necessidade de traçar um objectivo a curto prazo, ou seja, «uma mudança de comportamentos individuais e colectivos, para a qual é indispensável o contributo de estratégias sustentadas em evidência científica da área das ciências comportamentais e desenhadas e comunicadas tendo em conta as dificuldades e obstáculos que se colocam à adesão da população em geral e de grupos específicos».

Neste sentido, caberá à task force, por exemplo, «a recolha, síntese e produção de evidência científica na área das ciências comportamentais aplicadas a contextos de pandemia; e a prestação de apoio directo à tomada de decisão e formulação de recomendações para políticas públicas baseadas na evidência».

O grupo é constituído por elementos da Faculdade de Motricidade Humana da Universidade de Lisboa, Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa, Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica, SPMS – Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, Trinity Centre for Practice and Healthcare Innovation, Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa e Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica.