PUB

A fórmula repete-se desde 1998. A beleza natural do Alto Alentejo e os 16,4 quilómetros do Terródromo de Fronteira são o palco ideal para a mais importante prova de todo terreno de resistência disputada na Europa.

Na 24.ª edição, a BP Ultimate 24 Horas TT Vila de Fronteira voltou a ser um enorme sucesso popular e desportivo, confirmando o estatuto ímpar da prova organizada pelo Automóvel Club de Portugal. Largos milhares de espectadores proporcionaram um ambiente difícil de traduzir em palavras, com a vila de Fronteira engalanada para receber mais de 300 pilotos de diferentes nacionalidades. 

No plano desportivo, o francês Laurent Poletti repetiu o triunfo de 2005, conseguindo a melhor combinação de velocidade e resistência ao volante do protótipo MMP, partilhado com Franck Cuisinier, Ronald Basso e Adrien Favarel. O português Marco Pereira conseguiu o segundo lugar com um Can-Am da categoria T3, integrado na formação do belga Sébastien Guyette, que também incluiu Antoine Vitse e Olivier Devos. A Toyota Hilux da família Reis também subiu ao pódio de Fronteira, com Avelino Reis, Tiago Reis, Edgar Reis e Daniel Silva. 

Foram 1.440 minutos de luta contra o cronómetro, mas também contra os limites de homens e de máquinas, uma prova de superação que celebra o genuíno espírito do TT há quase um quarto de século. Em termos competitivos, quatro equipas passaram pelo comando da prova, e mais uma vez, os competitivos SSV da categoria T3 voltaram a incomodar os convencionais protótipos construídos em França, especificamente desenvolvidos para provas de TT de resistência. 

Hegemonia quebrada 

Desde 2010 que uma equipa 100% portuguesa não sobe ao lugar mais alto do pódio. A edição deste ano não foi excepção, apesar dessa esperança ainda ter sido alimentada na fase inicial da corrida, quando a família Reis, liderada pelo ex-campeão nacional Tiago Reis, assumiu o comando do extenso pelotão de 65 concorrentes, ao volante da Toyota Hilux. 

Mas quando o protótipo MMP X4 Turbo da equipa de Poletti, Cuisinier, Basso e Favarel assumiu o comando, sensivelmente a meio da corrida, começou a ficar evidente que só um problema grave os destronaria da liderança, até pelo facto dos grandes favoritos, a equipa luso-francesa liderada pela família Andrade, ter sofrido problemas no motor do Proto AC Nissan, falhando a nona vitória (quarta consecutiva) em Fronteira. 

«Foi uma corrida muito boa e o carro esteve simplesmente perfeito, sem registar um único problema. Parabéns à MMP», afirmou Laurent Poletti, que já participou 16 vezes nas 24 Horas TT de Fronteira. «Estou muito feliz com esta vitória, que já procurava há muito tempo. A prova de Fronteira é sempre especial. A pista é espectacular e muito dura, e a organização é sempre excepcional», destacou o piloto francês. 

O Can-Am de Sébastien Guyette aproveitou a fase noturna e o início da manhã para consolidar o segundo lugar, terminando a quatro voltas dos vencedores e com um estreante português em destaque. «Nunca tinha feito as 24 Horas, apenas as 4 Horas SSV, por isso é um resultado de sonho», apontou Marco Pereira, que foi convidado por Guyette para integrar a equipa belga. «A noite foi difícil para mim, nunca tinha corrido à noite. Mas durante o dia desfrutei bastante, a pista estava espectacular, o tempo também esteve ótimo, por isso foi perfeito», afirmou Marco Pereira, que venceu a categoria T3. 

Uma família feliz 

A família Reis conseguiu a melhor volta da corrida – em 9m46,070s, menos sete segundos do que a melhor volta dos vencedores -, mas a velocidade não é tudo em Fronteira e a equipa de Famalicão terminou no derradeiro lugar do pódio. «Correu muito bem, mas tivemos alguns azares pelo meio, infelizmente. À sexta volta, o carro começou a falhar depois de passar a ribeira, depois tivemos problemas com a caixa de direção durante a noite. Mas estamos contentes. Um pódio em Fronteira é sempre muito bom e fazê-lo em família é ainda mais importante. O meu pai é que impulsiona sempre esta prova, por isso, este pódio é dele», dedicou Tiago Reis. 

O quarto lugar ficou para outra equipa totalmente portuguesa, formada por Amândio Alves, João Silva, Rogério Reis e Márcio Reis, com mais um protótipo da francesa MMP. O top 5 em Fronteira ficou completo com o Can-Am de Jorge Cardoso, Marco Cardoso, Alexandre Cardoso e João Oliveira. 

Na categoria Promoção C, a vitória sorriu ao SEAT de Ismael Margarido, André Serrano, Filipe Galveias e Dino Canha, o mesmo acontecendo na Promoção A ao Suzuki Vitara de Joaquim Seiça, Paulo Soares, Luís Pedro Alves e Gonçalo Fernandes, e na Promoção B ao Citroën AX de Manuel Barreto, Rodrigo Daniel, Hugo Batista e João Paulo Oliveira.  

O triunfo nos T2 ficou para os belgas Pieter Backere, Julien Demuynck, Pieter Cracco e Steve Backere (Isuzu D-Max), enquanto nos SSV do grupo T4, os vencedores foram Pascal Rollet, Delphine Crosse e Christophe Girard, num Can-Am.  

Outros vencedores 

Carla Gameiro, Cristela Marto, Paula Marto e Sílvia Reis formaram a equipa que arrecadou o troféu feminino, na segunda participação ao volante do Suzuky Jimny. Mas na aventura de Fronteira todos são vencedores, incluindo carros tão carismáticos como a Peugeot 504 Pick-up de Joaquim Serrão, que percorreu mais de 850 quilómetros (52 voltas), ou a Renault 4L de Samuel Lima, que também terminou a prova após duros 770 quilómetros no Terródromo de Fronteira. Uma festa de todos e para todos. 

Santinho Mendes vence nas 4 Horas, Miguel Oliveira juntou-se à festa 

24H TT Vila de Fronteira, 24th to 27th November 2022 – Photo: Paulo Maria / ACP

No sábado, a BP Ultimate 4 Horas SSV Vila de Fronteira consagrou Pedro Santinho Mendes, sobrinho do pluricampeão nacional Santinho Mendes. O piloto do Can-Am estreou-se a vencer na maratona dos SSV, na frente da dupla Wilson Galo/Gonçalo Guerreiro (Can-Am) e do ex-campeão nacional João Monteiro (Can-Am). 

Miguel Oliveira, o herói nacional do MotoGP, fez questão de regressar à prova do ACP e terminou no 26.º lugar, num Can-Am partilhado com pai, Paulo Oliveira. 

Maratona responsável 

A responsabilidade ambiental é, cada vez mais, uma aposta prioritária para a organização da prova. O ACP, o Município de Fronteira e a empresa Valnor voltaram, este ano, a implementar um plano ambiental para minimizar a pegada ecológica do evento. Uma das medidas, ao abrigo do programa Eco Eventos, da Valnor, atribuiu um valor monetário por cada kg de resíduos (embalagens de plástico, papel e vidro) recolhido durante o evento, um valor que será entregue aos Bombeiros Voluntários de Fronteira. Ao longo do fim de semana, multiplicaram-se os pontos de recolha nas zonas espectáculo, de camping, no parque de assistência, na zona de restauração e em todos os espaços da organização. Porque há corridas que todos temos de ganhar.

Classificações Oficiais 24 Horas: http://24horastt.cronobandeira.com/ 

Pub