PUB

Numa iniciativa conjunta do Terras sem Sombra e do Município, o agrupamento espanhol La Ritirata actua no sábado novíssimo Cineateatro de Alter, com um programa dedicado à música de corte dos séculos XVI e XVII. O fim-de-semana em terras alentejanas compreende ainda uma visita à Estação Arqueológica de Ferragial d’El Rei, nos arredores de Alter, e uma acção de Biodiversidade dedicada ao Cavalo Lusitano, na Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Alter do Chão.

O programa do próximo fim-de-semana Terras sem Sombra em Alter tem como destaque o concerto pelo La Ritirata. O ensemble espanholapresenta-se no Cineteatro no sábado, às 21h30, em versão de trio, composto pelo violoncelista e director musical Josetxu Obregón, apoiado por Tamar Lalo, na flauta, e Daniel Zapico, na tiorba: três figuras de referência do panorama artístico europeu da actualidade.

La Ritirata propõe a redescoberta de peças que nos levam numa viagem sonora pelas cortes de Nápoles, Espanha e Portugal dos séculos XVI e XVII. O maestro Josetxu Obregó seleccionou e recuperou algumas das mais emblemáticas e sublimes obras compostas na transição do Maneirismo para o Barroco por Andreas Falconieri, Diego Ortiz, Gaspar Sanz, Giuseppe Maria Jacchini, Domenico Gabrielli ou Bartolomé de Selma, entre outros. O sugestivo título do programa – “Il Spiritillo Brando” – refere-se quer às danças palacianas do vice-reinado espanhol de Nápoles, onde Portugal também teve presença destacada, quer aos espíritos maliciosos, uma espécie de duendes, da tradição popular napolitana, que apresenta muitas semelhanças com os usos e costumes do Alentejo. Algo muito apropriado a uma terra dotada de pergaminhos musicais e que atesoura inúmeras preciosidades da arte barroca, como Alter do Chão.

PUB

Para além do concerto, o programa do Festival Terras sem Sombra oferece mais dois momentos a não perder: as actividades de Património Cultural e de Salvaguarda da Biodiversidade. Assim, na tarde de sábado, dia 26, pelas 15h, realiza-se uma visita à Estação Arqueológica de Ferragial d’El Rei, um dos principais arqueossítios para o conhecimento da presença romana a sul do Tejo. Das ruínas existentes neste notável ponto, destacam-se uma residência – a que foi dado o nome de Casa da Medusa –, termas e uma necrópole datada da Antiguidade Tardia. Trata-se de uma villa de Abelterium (Alter do Chão), junto a uma das três vias que ligavam Olisipo (Lisboa) à capital da Lusitânia, Augusta Emerita (Mérida). As escavações levadas a cabo nas últimas décadas revelaram pinturas murais, pavimentos em mosaico e diversas esculturas de enorme qualidade artística e técnica, que serão apresentadas em detalhe numa visita guiada pelo arqueólogo Jorge António, profundo conhecedor do local.

No domingo de manhã, pelas 9h30, a acção de Salvaguarda da Biodiversidade – intitulada “Antigas Profissões, Novas Vocações: A Escola e o Mundo Rural” – tem lugar na Escola de Desenvolvimento Rural de Alter do Chão, situada no espaço privilegiado da Coudelaria de Alter (Herdade da Tapada do Arneiro), perto da vila. Aqui, serão dadas a conhecer atividades e práticas relacionadas com o mundo rural, nomeadamente, iniciativas sustentáveis relacionadas com a agricultura e a equitação, de modo a promover um espírito empreendedor, com especial atenção à conservação da biodiversidade. Constituem exemplos disso a valorização do Puro-Sangue Lusitano – a principal raça equina autóctone do nosso país –, a criação de um efetivo pecuário ou, ainda, a manutenção de uma horta tradicional que, além de familiarizar os jovens com as espécies e variedades regionais, fornece produtos de qualidade à cantina escolar.

O fim-de-semana Terras sem Sombra em Alter oferece uma oportunidade único para se assistir a um concerto inédito por um ensemble que faz parte do escol da música antiga e tem atuado em principais palcos do mundo, levando-nos igualmente a (re)descobrir o património arqueológico do período romano no Alentejo e as práticas essenciais para a valorização do mundo rural.

Sob o mote “Através do Incêndio: Contingências, Expectativas e Superações na Música Ocidental (Séculos XVI-XXI)”, o Terras sem Sombra prosseguirá a 3 e 4 de Julho, em Arraiolos, com a presença do agrupamento belga Quatuor Alfama, num concerto intitulado “Voos sobre o Abismo: Haydn e Schubert”.

A 17.ª temporada do Festival tem programadas actividades em Santiago do Cacém (17 e 18 de Julho), Castelo de Vide (31 de Julho e 1 de Agosto), Beja (7 e 8 de Agosto), Sines (21 e 22 de Agosto), Ferreira do Alentejo (4 e 5 de Setembro), Viana do Alentejo (11 e 12 de Setembro) e Odemira (18 e 19 de Setembro).

Um festival que revela o melhor do Alentejo

Parceiro do Grupo Vila Galé, o Festival Terras sem Sombra é uma temporada cultural que, em itinerância por diversos concelhos do Alentejo, propõe um programa que abarca a música erudita, o património e a salvaguarda da biodiversidade. Todas as atividades acontecem aos fins-de-semana e são de entrada livre e gratuita, sujeitas às regras sanitárias em vigor decorrentes da actual situação pandémica.

Promovido pela Associação Pedra Angular – entidade cultural e científica, sem fins lucrativos, fundada em 1996 –, o Festival é uma iniciativa da sociedade civil que visa dar a conhecer a um público alargado um território, o Alentejo, que sobressai pelos valores ambientais, culturais e paisagísticos e apresenta um dos melhores índices de preservação da Europa. A valorização dos recursos patrimoniais e a sensibilização das comunidades locais para a sua salvaguarda e valorização são, assim, as grandes prioridades do Festival, que é uma estrutura financiada pela Direcção-Geral das Artes.