Publicidade

«Estou sem palavras». Foi assim que o portalegrense Rodrigo Torres resumiu a sua participação na final individual de dressage dos Jogos Olímpicos, em Tokio, realizada na manhã desta quarta-feira, na qual conseguiu a sua melhor nota em competições: 78.943% – 74.143% de nota técnica e 83.743% de nota artística.

A montar o cavalo lusitano Fogoso, a dupla da Equipa de Portugal, que representou também o nosso Alto Alentejo, obteve um muito honroso 16º lugar da geral, depois de uma prestação que muito dignificou a arte equestre ao som de Pink Floyd, com arranjo musical do seu primo Samuel Lupi. Este foi também o melhor resultado de sempre em Jogos Olímpicos de um lusitano.

No final da competição, Rodrigo Torres estava orgulhoso do seu trabalho e da evolução do seu cavalo: «o Fogoso está a superar-se e a mostrar que é muito mais do que podíamos imaginar. Ele ainda é novo, mas está no maior palco do desporto mundial e ele superar-se assim e bater recordes é realmente impressionante». A nível pessoal, a estreia em competições Olímpicas também fica marcada pela positiva: «é impressionante estar aqui e superar tudo aquilo que eu imaginava».